quarta-feira, 20 de abril de 2011

Rumo À Meta Suprema

Até que o Amor e Devoção a Deus cresçam, não se pode ter consciência da natureza transitória e sem substância do mundo. O mundo é apenas um e não pode ser dividido em compartimentos, uma parte dada a Deus e outras partes cheias de desejos por fama, nome e objetos sensórios. Deus não pode ser realizado a menos que a mente inteira seja dada a Ele. A menos que se possa fazer isto, terá que se nascer repetidas vezes no mundo e sofrer misérias sem fim.

Para renunciar ao mundo não se necessitam tornar-se monge ou se retirar para a floresta. A verdadeira renúncia é da mente. Se você abandonar ao mundo mentalmente, será a mesma coisa permanecer no mundo ou ir à floresta. Se você for para a floresta, sem renunciar completamente ao seu apego mental pelos objetos mundanos, o mundo o seguirá até lá e o atormentará do mesmo modo; não há escapatória disto.

Se você tiver que permanecer no mundo afinal, faça de Deus o seu mundo. Organize sua casa com Ele. Qualquer coisa que faça, veja ou escute, pense ser de Deus. É tudo um jogo, um jogo com Ele. Saiba que a vida é como um jogo, no qual a própria Mãe é a Jogadora e você é Seu companheiro de jogos. O mundo será muito diferente quando você souber que a Mãe está jogando com você. Então você descobrirá que neste mundo não existe nem felicidade nem sofrimento, bem ou mal, apego ou aversão, nem cobiça ou ciúmes. Consequentemente, toda ilusão, interesse próprio e conflito desaparecerá, e os pares de opostos não poderão atormentá-lo. Todas as ideias de união e separação, amigo ou inimigo, alto e baixo, de ‘eu’ e ‘meu’, não existem naquele seu jogo com a Divina Mãe. Só existe apenas – inesgotável Bem-aventurança, infinito Amor e infinita Paz. Se apenas uma gota daquela Bem-aventurança for experimentada, os prazeres dos objetos mundanos parecerão desprezíveis. A posse de mesmo um átomo daquele Amor fará que o mundo inteiro seja mais querido do que os nossos mais queridos, e a Bem-aventurança celestial será sentida através de cada poro do corpo. Não há medo neste jogo, nenhuma ansiedade, nem amarras, nem esgotamento; é um jogo sempre novo. E que infinitos modos de jogar a Mãe conhece! Infinitas são as formas e maneiras nas quais Ela joga! Que nos percamos neste pensamento e mergulhemos nele. Naquele momento de êxtase transcendental o jogo termina; pois para quem então brincar, e com quem? Aquela experiência beatífica, aquele estado de bem-aventurada união, está além do alcance da fala e da mente! Somente sabe aquele que a conhece! Que grande diversão! Oh, a grande diversão!

Queremos gozar de todos os prazeres do mundo o mais que podemos e ter a realização de Deus ao mesmo tempo. Sonho vão! Isto não pode ser feito, meu amigo.

Se Deus viesse e dissesse: “O que você quer? Você quer a Mim – ou você quer viver uma vida feliz cheia de fama, nome, saúde e riqueza por cem anos com esposa, filhos e netos?” Você descobrirá que, exceto talvez por um em cada dez milhões, todos pediriam ansiosamente pelo último.

Para realizar a Deus é necessário devotar-se à tarefa de coração e alma – cem por cento. Nem uma fração minúscula a menos do que isto servirá. O que quase todos nós buscamos é realizá-LO facilmente, sem muito trabalho e problemas e sem sacrificar nada. Nós queremos um compromisso entre Deus e o mundo. Nós pensamos que se o Guru por sua infinita misericórdia pode consegui-LO para nós e dar-nos a salvação, nada poderia ser melhor do que isto. Oh, como pode ser assim? “O Senhor deve ter todo o pagamento que Lhe é devido, até o último centavo.”

Aquele que realmente O quer, encontra-O; aquele que não quer é obrigado a dançar conforme o tom dos cinco malvados, torna-se o jogo dos cinco elementos, que compreende o material do corpo e do universo – terra, água, coração, ar e espaço. Ele está à mercê de todos os tipos de más influências.

S. Virajananda